20/07/11

Abacate faz mal?

Mitos sobre alimentação 4




Em países como Inglaterra, Alemanha, México, Chile, França, e no próprio Oriente Médio, o abacate é consumido como um autêntico alimento, principalmente sob a forma de saladas, temperado com sal, azeite e condimentos diversos. No Brasil, é consumido sob a forma de sobremesa, cremes ou vitaminas.

Esta fruta, por muitos anos condenada por médicos e nutricionistas, apresenta alta quantidade de ácido graxo monoinsaturado, o ácido oléico. Os ácidos graxos monoinsaturados têm sido amplamente estudados, demonstrando efeitos importantes na prevenção e tratamento das dislipidemias, ligadas ao desenvolvimento de doenças cardiovasculares. O óleo de abacate assemelha-se muito com o óleo de oliva pela similaridade de suas propriedades físico-químicas e, principalmente, pela composição do ácido graxo oléico, presente no azeite de oliva.

O abacate apresenta também componentes biologicamente ativos como os fitoesteróis, substâncias capazes de inibir a absorção e síntese de colesterol e até mesmo prevenir o câncer.  O beta-sitosterol é um fitoesterol com estrutura química parecida com a do colesterol e atua na modulação do cortisol por equilibrar a razão cortisol/DHEA, especialmente após o exercício.

Assim como o abacate, o Avocado (outra variedade) apresenta na sua composição (além do ácido oléico), vitaminas A, C, E, B6, minerais como fósforo, potássio, magnésio, coenzima Q10 (importante componente da fosforilação oxidativa da mitocôndria) além de conter, em média, 76mg/100g de beta-sitosterol. Além da ação dos fitoesteróis na redução dos níveis plasmáticos de colesterol total e LDL – colesterol há estudos que evidenciam sua ação antiinflamatória, imunomoduladora e hipoglicêmica.

O que muitas vezes acontece com a população é a restrição de gorduras e sua substituição por carboidratos como sacarose e frutose que, em grandes concentrações, pode levar a hipertrigliceridemia, responsável por disfunções vasculares; ao estresse oxidativo e alterações no metabolismo energético cardíaco. Estudo com pacientes diabéticos e dieta contendo abacate diminuiu os níveis de glicemia.

A sugestão que deixo é usar o abacate em saladas, fazer molhos, usar como acompanhamento de carnes e até mesmo em sucos. Quem não conhece o famoso guacamole! Sugiro EVITAR seu uso com leite condensado, creme de leite, açúcar. Isso sim faz do abacate um alimento calórico!!


Curiosidade: O beta-sitosterol do abacate pode atuar no combate ao estresse por meio da redução dos níveis de cortisol e na regulação do apetite, contribuindo até com a perda de peso.  

Outras fontes de beta-sitosterol: oleaginosas e unha de gato (cat´s claw).

Mais estudos são necessários para evidenciar o potencial terapêutico desta fruta no controle das dislipidemias e como alternativa às outras fontes conhecidas de ácido oléico

Cortisol é um hormônio corticosteróide produzido pela glândula supra-renal que está envolvido na resposta ao estresse entre outros.

SOARES, H.F.; ITO, M.K. O ácido graxo monoinsaturado do abacate no controle das dislipidemias. Revista Ciência Médica, 9(2):47-51, 2000.
OSTLUND, R.E.; RACETTE, S.B.; STENSON, W.F. Inhibition of cholesterol absorption by phytosterol-replete wheat germ compared with phytosterol-depleted wheat germ. Am J Clin Nutr 77(6):1385-1589, 2003.
MAGUIRE, L.S.; O´SULLIVAN, S.M.; GALVIN, K. et al. Fatty acid profile, tocopherol, squalene and phytoesterol content of walnuts, almonds, peanuts, hazelnuts and the macadamia nut. Int j Food Sci Nutr; 55(3);171-8, 2004.

2 comentários:

  1. Eu costumo dividir uma unidade de abacate com a minha mãe e faço o consumo in natura mas, coloco canela em pó sobre ele e não uso açúcar. Se o abacate estiver maduro, fica uma delícia.

    ResponderExcluir
  2. Eu costumo dividir uma unidade de abacate com a minha mãe e faço o consumo in natura mas, coloco canela em pó sobre ele e não uso açúcar. Se o abacate estiver maduro, fica uma delícia.

    ResponderExcluir